http://iflorestal.sp.gov.br

07/12/17 11:20

1 milhão de vacinados contra a febre amarela na zona norte de São Paulo

Sucesso da ação preventiva só foi possível pela detecção precoce da circulação do vírus, na qual o Instituto Florestal foi imprescindível

No último domingo (3), a Prefeitura Municipal de São Paulo publicou notícia divulgando ter ultrapassado a meta de um milhão de vacinados contra a febre amarela na zona norte da capital.

Desde o dia 21 de outubro, quando teve início a imunização, até a última sexta-feira (1), foram vacinadas 1.028.245 pessoas na região. Para chegar à próxima meta de 2,4 milhões, o total de postos de vacinação será ampliado de 70 para 90 Unidades Básicas de Saúde (UBS) na zona norte.

O secretário municipal de Saúde Wilson Pollara explicou que o objetivo é imunizar toda a população da região, o que é essencial para criar um cinturão de proteção para que a doença não se desenvolva.

O sucesso da ação preventiva só foi possível pela detecção precoce da circulação do vírus, na qual o Instituto Florestal foi imprescindível. Um macaco bugio foi encontrado morto no Parque Estadual Alberto Löfrgren e os exames laboratoriais confirmaram a doença.

Em muitos lugares, as pessoas estão agredindo e matando macacos por atribuírem a eles a causa da epidemia. Por isto, é importante ressaltar que o macaco não transmite a febre amarela para os seres humanos. Os bugios são bastante sensíveis à doença. Deste modo, atuam como anjos-da-guarda, indicando a presença do vírus e pagando com suas vidas. Algumas espécies correm inclusive o risco de extinção.

Os casos confirmados são de febre amarela silvestre, que é transmitida através da picada dos mosquitos Haemagogus e Sabethes, comuns em áreas de matas e vegetações à beira dos rios. A proliferação urbana da doença tem como vetor o Aedes aegypti e não há registro desse tipo de transmissão no Brasil desde 1942.

Veja a notícia da Prefeitura de São Paulo no link: http://www.capital.sp.gov.br/noticia/campanha-conta-febre-amarela-atinge-1-milhao-de-vacinados-na-zona-norte

 

Foto: Eduardo Bergo / SUCEN