http://iflorestal.sp.gov.br

24/11/17 16:32

Pesquisadores do Instituto Florestal são homenageados com a medalha Alba Lavras

João Batista Baitello e Waldir Joel de Andrade (in memoriam) receberam condecoração dada pela APQC àqueles que tenham se destacado em favor da ciência

Medalha Alba Lavras

No dia 22 de novembro, os pesquisadores científicos do Instituto Florestal (IF) João Batista Baitello e Waldir Joel de Andrade receberam a medalha Alba Lavras, condecoração dada pela Associação de Pesquisadores Científicos do Estado de São Paulo àqueles que tenham se destacado em favor da ciência. A homenagem aconteceu durante o evento de comemoração dos 40 anos da Associação, no Auditório do Museu Biológico do Instituto Butantan.

A pesquisadora científica do IF Helena Dutra Lutgens proferiu fala sobre o homenageado Waldir Joel de Andrade, falecido neste ano. O texto foi preparado pela colega do Instituto, também pesquisadora, Gláucia Cortez. A medalha foi entregue à família.

Também receberam a medalha Maria das Graças Lapa Wanderley (Instituto de Botânica) e Cleusa Maria Mantovanello Lucon (Instituto Biológico). Shiro Miyasaka (Instituto Agronômico de Campinas) e Annabel Perez Aguilar (Instituto Geológico) também foram homenageados em memória.

Das seis medalhas, quatro foram para pesquisadores do Sistema Ambiental Paulista.

João Batista Baitello

João Batista Baitello
Baitello graduou-se em História Natural pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de São José do Rio Preto (SP) em 1972, antigo Instituto Isolado da USP, hoje campus da Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Doutorou-se em Botânica pela Universidade de São Paulo em 1980.

O pesquisador ingressou no Instituto Florestal em 1976 e ocupou a diretoria geral da instituição entre 2006 e 2007.

Participou de grandes programas nacionais e internacionais sobre a flora brasileira. Colaborou ainda na elaboração e atualização das listas vermelhas da flora paulista e brasileira, dando grande visibilidade, no Brasil e no exterior, ao Instituto Florestal, especialmente ao Herbário Dom Bento José Pickel, do qual é curador.

Seus estudos ampliaram o conhecimento das espécies da família Lauraceae (canelas) e sua distribuição geográfica, o que ajudou muitos pesquisadores na identificação desse difícil grupo de fanerógamas arbóreas.

Entre seus parceiros na especialidade, foi homenageado pela contribuição à taxonomia da família, tendo seu sobrenome compondo o epiteto específico de uma nova espécie de Laurácea, recentemente descoberta e publicada em periódico internacional como Cinnamomum baitelloanum Van der Werff & Moraes, canela arbórea nativa do estado do Espírito Santo.

Baitello é autor de 50 artigos científicos, cinco livros em coautoria, 11 capítulos de livros. Participou de 15 bancas de mestrado e seis de doutorado. É consultor ad hoc da FAPESP e revisor de dezenas de artigos em revistas científicas nacionais e estrangeiras na sua área de atuação.

O pesquisador atua nos estudos sobre a flora das unidades de conservação que compõe o Sistema Ambiental Paulista, tanto da Mata Atlântica quanto do Cerrado, subsidiando os planos de manejo dessas áreas especialmente protegidas.

Os estudos desenvolvidos com a família Lauraceae, ao longo desses mais de 40 anos de IF, deu-lhe a oportunidade de descobrir 10 novas espécies arbóreas.

Waldir Joel de Andrade
Waldir  graduou-se em Engenharia Florestal pela Escola de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo (ESALQ/USP) em 1975. Concluiu mestrado pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras da Universidade de São Paulo (FFLCH/USP) em 1990.

Ingressou no Instituto Florestal em 1981, onde permaneceu até o seu falecimento em 13 de julho de 2017, aos 67 anos.

Durante a sua jornada profissional dedicou-se à conservação da natureza, destacando-se por seu pioneirismo na implantação de sistemas de trilhas nas unidades de conservação (UCs) do estado de São Paulo.

Waldir tornou-se um profissional de referência no Brasil no assunto “trilhas”. Foi muitas vezes requisitado para, planejar, implantar, vistoriar e elaborar pareceres técnicos de trilhas em unidades de conservação, tanto em São Paulo quanto em outros estados, em UCs estaduais e federais. Sua paixão especial eram as trilhas de longa distância.

Seus cursos e palestras eram ricos em estudos de casos de planejamento e implantação de trilhas em unidades de conservação do Brasil e do exterior. Seu conhecimento, sua dedicação e seu carisma o tornaram um campeão de audiência. As vagas em seus cursos eram rapidamente preenchidas e todos saiam satisfeitos e empolgados de suas apresentações, o que tornava a tarefa dos palestrantes seguintes muito árdua. Era difícil falar depois do Waldir em um curso.

Muitos profissionais que começaram sua jornada como estagiários do Waldir. Vários destes atuam hoje no Instituto Florestal e em instituições de todo o Brasil.

O pesquisador contribuiu em diversos planos de manejo e programas de uso público.

Grande defensor da conservação da Serra da Mantiqueira, conhecia a região como poucos. Seu olhar não era apenas de montanhista, mas também de pesquisador. Coordenou ainda os primeiros estudos para a criação de uma unidade de conservação na região da Pedra do Baú, na Serra da Mantiqueira, criada em 2010.

Waldir fazia o que amava e amava o que fazia.

Waldir Joel de Andrade

Fotos: Acervo IF / Acervo pessoal

Mais informações: Pesquisador científico João Batista Baitello – Tel. (11) 2231-8555 / Ramal 2076